Sob o mote “A Liberdade não é um acessório”, arranca no Cinema São Jorge, em Lisboa, de 14 a 23 de Novembro, a oitava edição do Festival Rotas & Rituais.

Com um extenso programa de 10 dias, a edição de 2014 do Rotas & Rituais inclui uma exposição, quatro conferências, muito cinema e três concertos.

O Festival tem inicío às 17h00, com a inauguração da exposição ±Grândola, Vila Moderna±, da autoria do projecto ±MAISMENOS±, e com uma selecção musical de canções de intervenção pré e pós 25 de Abril, sob o título “Mudam-se os Tempos”, organizada por João Carlos Callixto.

A programação de cinema que tem início no mesmo dia, pelas 21h30, conta com um ciclo de 18 documentários premiados internacionalmente, estreia com o  documentário “#chicago girl”, de Joe Piscatella, que conta a história
de uma jovem activista que coordena, através das redes sociais, a revolução na Síria. A fechar este ciclo de documentários, será exibido no dia 23 “Dirty Wars”,
de Richard Rowley, filme que conta com oito prémios e cinco nomeações, onde se inclui a de melhor documentário nos Academy Awards 2014.

Nas quatro conferências agendadas, os debates incidirão sobre uma reflexão  em torno do estado actual da Europa e da Democracia, o poder da Internet e o papel de mediação dos órgãos de comunicação social. Destaque para alguns dos oradores convidados, como Conceição Queiroz, Joana Amaral Dias, José Pacheco Pereira, Ricardo Araújo Pereira, José Luís Garcia e José Manuel Fernandes, entre outros.

Na programação dos três concertos, a 20 de Novembro actua o Projecto com Voz, um coro de mais de trinta elementos, com idades entre os 55 e os 83 anos, dirigido pelo Maestro Pedro d’Orey, que apresenta temas de Zeca Afonso e de pop/rock.

Na sexta-feira, dia 21, estará em palco B Fachada, que conta já com 14 edições e algumas colaborações, dentre as quais, com Sérgio Godinho. A primeira parte do espectáculo conta com a voz e guitarra de Lula Pena, que já tocou com Rodrigo Leão, Mû, Norberto Lobo e o próprio B Fachada.

O último concerto será a 22, com o rock irreverente dos Mão Morta, de Adolfo Luxúria Canibal, banda com três décadas de existência que lançou este ano
o álbum, Pelo Meu Relógio São Horas de Matar.

Saiba mais sobre a programação do Festival Rotas & Rituais em www.rotaserituais.com

O festival é de entrada livre, à excepção dos concertos de B Fachada e de Mão Morta, que custam 8 euros cada (ou 14 euros dois concertos).