“Cister no Douro” prossegue itinerância em Alcobaça

O Museu do Vinho de Alcobaça acolhe até dia 5 de junho a exposição “Cister no Douro”. Desta forma, a Direção Regional de Cultura do Norte, o Museu de Lamego e o Vale do Varosa dão continuidade ao grande objetivo desta instalação multimédia que passa por divulgar a herança histórica, cultural, arquitetónica e artística legada pela presença desta Ordem monástica na região.

Totalmente sustentada por imagem e por uma sonoplastia capaz de envolver o visitante, “Cister no Douro” foi reconhecida no final de 2015 com o Prémio Reynaldo dos Santos, atribuído pela Federação dos Amigos dos Museus de Portugal à melhor exposição realizada em museus portugueses com o apoio de um grupo de amigos.

“Cister no Douro” cruza saberes sobre um conjunto notável de edifícios cistercienses instalados durante a Idade Média e o período moderno a sul do Douro: Tabosa, Arouca, S. João de Tarouca, Santa Maria de Salzedas, São Pedro das Águias e Santa Maria de Aguiar.

Com comissariado científico de Nuno Resende, “Cister no Douro” não é uma exposição tradicional, mas a tradução de um espaço maior, de uma Ordem que transformou um vale e que desempenhou um papel primordial na excelência hoje reconhecida à região duriense como Património da Humanidade.
A inauguração da exposição no Museu do Vinho de Alcobaça integra o programa de comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.