Está patente ao público até 12 de Maio, todos os dias, das 10h00 às 19h00, no Torreão Poente do Terreiro do Paço, “Caprichos de Goya“, uma das mais importantes exposições do pintor espanhol Francisco Goya trazida pela primeira vez para Portugal, que apresenta a série de 80 gravuras por ele produzidas.

Francisco de Goya y Lucientes (1746-1828), pintor e gravador espanhol, fundador do movimento Romântico e percursor do Impressionismo, é um dos mais importantes artistas plásticos do final do século XVIII. Nomeado “Primeiro Pintor da Câmara do Rei” depois da coroação de Carlos IV, tornou-se o pintor oficial do monarca e da sua família, mas foi um crítico feroz da sociedade em que viveu, como demonstra em “Caprichos”, uma colecção de 80 gravuras – agora expostas no Terreiro do Paço – onde censura os vícios humanos e as instituições políticas, denuncia as injustiças sociais e satiriza os comportamentos da sociedade, sobretudo da nobreza e do clero.

“Conhecido como “Goya, o Turbulento” e considerado, às vezes, como “o Shakespeare do pincel”, as suas produções artísticas incluem uma ampla variedade representativa de retratos, paisagens, cenas mitológicas, tragédia, comédia, sátira, farsa, homens, deuses e demônios, feiticeiros, e um pouco do obsceno. Durante a última parte de sua vida, Goya cobriu as paredes de sua Quinta del Sordo com as famosas “pinturas negras”, as últimas e mais misteriosas de seu gênio atormentado, como “Saturno devorando um filho” (1819-1823), que se encontra actualmente no Museu do Prado. Esta pintura constitui uma referência aos conflitos internos de Espanha, durante o reinado absolutista de Fernando VII, mas representa também um reflexo da degradação da sua saúde física e mental”.

Goya exilou-se em França em 1824, na cidade de Bordéus, onde acabou por morrer quatro anos depois.

Passados quase duzentos anos da sua morte, a necessidade de justiça social mantém-se, pelo que a UNESCO, em paralelo com o plano Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ONU, 2000/2015), está a promover o projecto Dancing for the Millennium Goals (Dançar pelos Objectivos do Milénio), no qual a presente exposição se insere,  contribuindo com parte da sua receita. Em Portugal, o apoio reverte para a ONG P&D Factor – Associação para a Cooperação Sobre População e Desenvolvimento.

Depois de Lisboa, será a vez do Porto e de outras cidades portuguesas poderem ver esta exposição.

Entrada gratuita para crianças até aos 6 anos, inclusive. Bilhete pago a partir dos 7 anos. Saiba AQUI os preços de visita a esta exposição.
Horário: todos os dias, das 10h00 às 19h00
Última entrada: 18h30
Informações & Reservas:
TM – 96 133 49 86
E-mail – [email protected]

Atenção: Na compra de um bilhete para a exposição Caprichos de Goya os visitantes usufruem de um desconto de 10%, em igual categoria, na exposição FMR: A Coleção Franco Maria Ricci, patente no Museu Nacional de Arte Antiga . Este desconto é válido apenas até dia 12 de Abril e aplica-se a todas as categorias, excepto grupos escolares e universitários.

Goyacartaz

Goya-Los fusilamientos del tres de mayo_alt

Créditos da Foto: Los fusilamientos del 3 de Mayo
1814
Lienzo. 2,66 x 3,45
Museo del Prado, Madrid.

Foto de abertura: http://observador.pt/2015/03/14/os-80-caprichos-de-goya-mostram-se-em-portugal/

Fontes: http://www.uau.pt/espetaculos/1853/caprichos-goya-exposi%C3%A7%C3%A3o

http://www.biografiasyvidas.com/monografia/goya/cuadros22.htm

http://www.suapesquisa.com/biografias/francisco_goya.htm